terça-feira, 7 de agosto de 2012

Quando o simples é simples demais que parece tolo


Permita-me sugerir uma música: Somewhere Over The Rainbow, interpretada por Israel Kamakawiwo'ole. Ouça-a, se possível, usando um fone de ouvido. Ajuste o volume zelando pelo conforto. Então, aos primeiros toques, inspire b-e-m l-e-n-t-a-m-e-n-t-e. Dispa-se de qualquer idioma. Fique apenas com a linguagem universal, que eu e você sabemos existe. Observe um arrepio sutil bailar na sua pele, acompanhando o balanço do primeiro sussurrar. Seus olhos se fecham docemente e a música desenha um bonito sorriso em seus lábios. E você mergulha na melodia melodiosa dos sons. Dando licença à emoção. Abrindo alas ao coração manifestar o que há de mais terno no seu íntimo ser. Sinta o prazer que sua companhia lhe traz. E no último expirar da canção, tudo estará pleno e sereno. Vamos lá, aperte o play. Viva a arte de fazer o mais simples.

4 comentários:

disse...

A sua sensibilidade é um convite a viver a vida plenamente, despindo a rigidez e transformando-a no mais tenro sentimento que nos liga a nós mesmos. Ouço a música e acompanho o passo a passo do texto. A música é universal e os sentimentos também. Somos seres humanos, être humaine, humain being, everything. Somos filhos de Deus, DNA. Somos!
Obrigada pela sinestesia!

Adão Flehr disse...

Tammy,

Segui o roteiro e funcionou comigo... Obrigado!!!

O homem, este bicho inconstnte: EU!

O homem, este bicho generoso: VOCÊ!

Obrigado por sua visita lá, saudades de vir aqui!

Beijos!

Edson Marques disse...

Teu convite fez meu coração dançar de alegria...
Flores!

Angelo Augusto Paula disse...

Amo essa versão. Ela faz isso e muito mais...