sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Baile surreal



Luzes serpenteando.
Sóis prateados.
Nuvens violeta.

Música que não se ouve.
Mas contagia.
Os pés.

Corpos nus.
Dançam.
Com suas máscaras.

Belezas veladas.
Mistérios encantadores.
Noite vazia.

Estou perdida.
No salão.
A olhar.

De olhos abertos.
As máscaras.
De todas formas e feitios.

No meio de todos.
Procuro a minha.
Levo as mãos ao rosto.

Dirijo-me.
A um espelho.
Escondido.

Ele mostra.
A minha face.
Nua.

Ninguém percebe.
O milagre.
Que ocorreu.

Quando alguém.
Perdeu.
A sua máscara.

6 comentários:

Alysson Amorim disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alysson Amorim disse...

Cinematográfico!

Digno das lentes de um Akira Kurosawa.

Beijos.

disse...

posso dirigir esse filme se quiser
corpos nus jkshdflksjflkds

sua cara

Guria disse...

Me passa teu e-mail que eu mando o selinho pra ti viu??

Beijos

Guria disse...

Me passa teu e-mail que eu mando o selinho pra ti viu??

Beijos

Lizzie disse...

E as máscaras a gente põe o tempo todo. Mas elas mostram quem somos, sim. E muito.


Saudades de você. Desculpa-me o sumiço.

Beijocas
www.lizziepohlmann.com