sábado, 7 de fevereiro de 2009

Os depressivos

Qual é esta vida que tem uma cara para mim e outra para você? Ela tem várias caras. Afinal, é uma para mim, outra para você e mais outra para um monte de umbigos por aí.

Quem você espera que o salve? Um alguém? Esse alguém é um outro ser? Mas como, se para você o outro é sempre o problema? É o outro o culpado de tudo. Como o culpado pode lhe salvar? Como você confia no outro que, supostamente, causa-lhe o sofrimento?

Para que essa cara amarrada todo dia, moldando-lhe o rosto? Como você não entende o motivo de não receber elogios? Reclama que o ambiente é pesado, mas quando apagará a neblina da retina? Até quando o seu humor vai oscilar conforme as condições climáticas? Até quando seus olhos serão fundos, verdadeiras cuias de aparar lágrimas diárias? Até quando o seu corpo vai sofrer das doenças causadas pelo seu desequilíbrio emocional? Até quando as pessoas deverão sentir pena de você, enquanto poderia ser mais amor?



Se Eu Quiser Falar Com Deus*


Interpretação: Elis Regina

Composição: Gilberto Gil
Se eu quiser falar com Deus
Tenho que ficar a sós
Tenho que apagar a luz
Tenho que calar a voz
Tenho que encontrar a paz
Tenho que folgar os nós
Dos sapatos, da gravata
Dos desejos, dos receios
Tenho que esquecer a data
Tenho que perder a conta
Tenho que ter mãos vazias
Ter a alma e o corpo nus
Se eu quiser falar com Deus
Tenho que aceitar a dor
Tenho que comer o pão
Que o diabo amassou
Tenho que virar um cão
Tenho que lamber o chão
Dos palácios, dos castelos
Suntuosos do meu sonho
Tenho que me ver tristonho
Tenho que me achar medonho
E apesar de um mal tamanho
Alegrar meu coração
Se eu quiser falar com Deus
Tenho que me aventurar
Tenho que subir aos céus
Sem cordas pra segurar
Tenho que dizer adeus
Dar as costas, caminhar
Decidido, pela estrada
Que ao findar vai dar em nada
Nada, nada, nada, nada
Nada, nada, nada, nada
Nada, nada, nada, nada
Do que eu pensava encontrar

*como eu sempre digo:
troque a palavrinha

5 comentários:

Felipe Fanuel disse...

Tamara,

Você poderia pregar isso em uma Igreja tranquilamente. Aliás, creio que já ouvi aqui o sermão de domingo. Trata-se de uma mensagem confrontativa, que possui um forte apelo à transformação. Quantas vozes sagradas a gente ouve nesta blogsfera!

Muito obrigado.

Beijos.

Guria disse...

Deus, esse post foi diretamente pra mim?? Sou a pessoa que mais vive reclamando... preciso de um chega pra la mesmo.

Beijos querida.
Boa semana

Felipe Fanuel disse...

Querida Tamara,

Após ler o seu comentário em meu blog sobre animismo, vim logo aqui para reafirmar o quanto gosto de você.

Continue assim, menina, com esta coragem de Ser!

Beijos.

edson marques disse...

Tamara,


Desculpe-me por nâo estar visitando teu blog com a frequência que ele merece!


Mergulhado num novo projeto literário, logo logo voltarei a ser presente.


Abraços, flores, estrelas..

Efêmero Delírio disse...

Como esperar respostas a tantas perguntas, se a quem você as dirige muito provavelmente não as tem, ou melhor, não tem nem mesmo consciência da existência delas?
A questão é mais que pena, que auto-estima, que sofrimento...
Só não podemos cobrar por algo que nós mesmos não fazemos ideia do que seja, a menos que já tenhamos ido a ceia dos lucíferes e voltado, e mesmo assim, nossa experiência no regresso de nada adiantará para quem ainda estiver à mesa.
Bjs,
Amo te.