quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Isso, sim, é selvageria

Olho as árvores da cidade e sinto saudade de um tempo longínquo que não vivi, nem mesmo muitos de meus ascendentes. Os perfumes intensos, as cores e texturas trazem à tona que alguém, no passado, tirou o meu direito de usufruir a natureza, assim como nós faremos com os nossos descendentes.






5 comentários:

Antonio Sávio disse...

Obrigado pela visita moça. LIndo seu blog. BEijos.

Thiago Almeida disse...

Que bela interpretação. Gostei muito!

Angelo A. P. Nascimento disse...

Em épocas de aquecimento global e destruição da natureza, sua maneira simples de desabafar nos leva ao profundo que há em nós.
Seremos nosso próprio algoz?
Conseguiremos sustentabilidade a tempo?
Bjs

disse...

É verdade. Concordo em gênero, número e grau! rsrs
Seu texto é de uma leveza, é tão bom ler essas "pílulas" de reflexão.
Pensarei nisso e como posso contribuir para que o pouco do que ainda há deste perfume e natureza possa ser mantido.

Bjs!

Tamara Queiroz disse...

Antonio,

B-jinhos


.
.
Thiago,

Foi só uma interpretação de uma rotineira andança por Sampa.


.
.
Angelo,

No (pro)fundo sabemos a resposta, não é mesmo?


.
.
Jú,

E você sempre uma querida!