domingo, 9 de janeiro de 2011

Tácito


Madrugada forte. De sons tamanhos. Rodopiando à luz dos olhos. Numa conversa a sós. Consigo mesma. Ouvindo o invisível. Roçar sua pele. Tocar suas cores. Descortinando as maravilhas da própria beleza. Numa transparência nua e crua. Bordada dos sentimentos mais raros. E incrivelmente distante da margem de si.



4 comentários:

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Esse tipo de conversa com o íntimo é rara.

Beijo imenso, Tamara.

Rebeca

-

Tamara Queiroz disse...

Transformar esse contato, essa conexão consigo mesma(o) em um ato habitual é por demais bom. É sublime, Beca!

disse...

Ei! Saudade daqui também!
Um novo ano começa e o blog vem cheio de inspiração!

Beijos!

Tamara Queiroz disse...

Verdade, Jú, inspirações dominguinas.

Beijos!