terça-feira, 1 de junho de 2010

Para não falar de amor

Eu estava lá. Sentada. A sorrir. Linda e gostosamente. Como quem acaba de sorver uma laranja madura. Sentido o frescor invadir-lhe o corpo. E estremecer. Estremecer só por estremecer.