sexta-feira, 18 de agosto de 2006

É preciso morrer para se tornar vivo


Ano passado morreu um senhorzinho. Foi um espanto coralista na vizinhança:
- Era um homem tão forte!
Uma das mais velhas fofoqueiras retrucou:
- Quem tem que ser forte, agora, é a mulher dele que precisa sustentar sozinha cinco barrigas.

O senhorzinho não dizia ao filho que o amava. Ele não comprava o livro que queria ler e mesmo assim atrasava o pagamento da conta de luz. Ele não contava para ninguém os seus problemas. Ele nunca chorava e raramente sorria. E por isso morreu engasgado.

6 comentários:

déco disse...

que triste, acho que vou morrer assim tmb, fiquei triste de ver em outra pessoa como eu sou...

;)

déco disse...

uma duvida, o que é; simpatia de giz?

Adão Flehr disse...

Sabe? As vezes eu pareço bastante com este senhorzinho...
Justamente por isto, estou em fase de mudanças!!

B-jos

Anônimo disse...

Querida Tamara, adoro ler o que você escreve. Muito bom, viu menina talentosa!

Rosa Mattos

beijão

Elton disse...

Desse mal eu não morro, prima! Uffa...!

Gilberto disse...

É um resumo da vida de muita gente boa que eu conheço, que estão morrendo aos poucos, engasgadas...