sábado, 18 de julho de 2009

Auto-suficiência

Pequena amostra


Viro-me para o relógio, são 19h19. Procuro a pasta de música "Maluquices" e o ponteiro clica em Sexy Marin, de Zofka no álbum Chocolat. Então, inicio este texto.

Hoje, dediquei 8 horas para mim. Apenas para mim. Às 10h30, tomei um delicioso café-da-manhã. Depois banhei o corpo com o meu sabonete preferido de castanha-do-pará com linhaça. Vesti-me e saí de casa. No meio do caminho, gotas miúdas e espaçadas de chuva. Opto por não abrir o guarda-chuva e ando a passos largos sentindo o efeito da água gelada na minha pele. A música acabou. Logo, seleciono Sahara Wind, de Ryan Farish.

A aula especial começa e, pela primeira vez, demonstro o esboço da minha coreografia para o público. Excelentes dicas foram dadas, além de novas ideias surgidas. Ao encerrar esta atividade, solicito um mix de morango, manga, uva, laranja e kiwi. Antes de saborear o suco, me encanto com a miscelânea de cores vivas tão bonitas. Escolho uma nova música, Vavato, de Vavamuffin.

Realizo a prática do Método DeRose e atinjo uma intrínseca consciência de mim mesma e do meu corpo que dantes desconhecia. Sinto que o meu pé direito (o tendão foi distendido há 2 anos) está mais confiante e agora posso ficar mais tempo numa técnica de equilíbrio. E a cada novo término, uma nova satisfação.

Para finalizar o dia, entro num restaurante árabe para curtir a minha própria companhia. O garçom depressa aparece e faço o meu pedido com um sorriso. O hálito saboroso da comida excita meu apetite. Mmm!... adoro hortelã na salada. Adoro me mimar. Adoro me presentear com momentos só meus.

Mesmo "mimetizada", as pessoas presentes no ambiente notam o prazer que eu sinto de mim mesma. São olhos e olhares. Bocas e sorrisos. E qualquer outra coisa inaudível e invisível. Até o proprietário do restaurante disse-me: "Eu preciso falar uma coisa séria: você é muito simpática". Eu agradeci a gentileza e saí em direção ao hipermercado para que eu possa, agora, deliciar o sorvete de papaya com cassis, no sofazinho de casa, debaixo dos cobertores, a assistir o filme Volver, de Pedro Almodóvar.


Refina-se.
Seja sutil.
Sorria.

4 comentários:

Janete Cardoso disse...

"curtir minha própria companhia", "adoro me mimar"
Eu adorei ler isso! Preciso seguir seu exemplo, tenho me deixado muito de lado.

beijinhos

Dica disse...

Foram oito horas incríveis, quase perfeitas.
È bom demais dedicar-nos a nós mesmo, fazemos isso pra tanta gente..
O melhor é que quando fazemos essas "gracinhas" nossa pele muda, nosso humor.. E as pessos percebem essa mudança.

Preciso de um tempo pra mim também. Costumo dizer que só sou minha quando escrevo, só q do escrevo.




--
Apareça aqui, em Salvador. ;)
Beijos!

Thiago Almeida disse...

Perfeita descrição de seu cotidiano.
Belo gosto por cinema e música, é isso ae!

Até mais.

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

O que você disse me lembrou de uma vez sentado num bar e lendo uma cartilha de poemas de um cara que estava divulgando o seu trabalho. Li e comentei com os amigos que não aguentava a mesmice dos autores de hoje em dia. Então um me falou: se acha tudo igual, pare de reclamar e faça algo novo, impactante!

Ah, lembrei também que tenho que ver esse filme e é muito bom quando estamos dispostos a nos agradar!

Até mais.

Jota Cê